Até Hoje

Na época em que eu buscava um caminho espiritual, conheci muitas religiões mas nunca encontrei um mestre autêntico. Li sobre os lamas tibetanos e até comecei a aspirar encontrar um, mas pensei que naquele momento não seria possível. Por questões financeiras, não teria como ir ao Tibete e tampouco um lama tibetano apareceria em Rio Grande, no interior do Rio Grande do Sul, onde eu vivia.

Anos mais tarde, lendo o jornal local, vi numa matéria que um lama tibetano viria justamente a Rio Grande pra dar uma palestra. Pensei: “que oportunidade incrível de conhecer um lama tibetano aqui”! Só que no dia da palestra, esqueci totalmente e fui a uma reunião do meu grupo de teatro.

Quando cheguei no local, a reunião havia sido cancelada. Fiquei chateado, pois eu tinha aberto mão de outros compromissos para ir à reunião. Mas então tive um estalo e lembrei que, naquele exato momento, estaria acontecendo a palestra com o Rinpoche. Eu estava a cinco minutos do lugar da palestra e faltavam dez minutos para o início.

Corri até o local, entrei, sentei e lá estava aquele senhor de barba branca, sério, de olhar penetrante. O Rinpoche começou a ensinar e cada palavra que ele dizia era como um néctar que me preenchia. Senti um grande bem estar e, por alguns meses, sempre que os ensinamentos me vinham à mente, eu entrava naquele mesmo estado e experimentava o sabor do néctar outra vez.

Cinco meses mais tarde, recebi uma correspondência do Khadro Ling convidando para o evento do Ano Novo Tibetano em Três Coroas. Fui, cheguei lá e não senti vontade de ir embora. Aqui estou até hoje, com as bênçãos do Rinpoche.

[Contada por Dudu]